Buscar

Mais de mil alunos de escola estadual de Sarandi estão sem aulas.



Mais de mil alunos do colégio estadual Helena Kolody, em Sarandi, no norte do Paraná, não iniciaram as aulas na segunda-feira (19), e não há previsão de quando eles voltarão a estudar. Problemas na estrutura do prédio impedem a permanência de qualquer pessoa no local.

As rachaduras no pilar denunciam o perigo. A estrutura que segura o telhado está comprometida. Dentro das salas há várias rachaduras. Segundo laudo da Defesa Civil, está proibido o uso e circulação de pessoas no prédio, pois há riscos.

Há cinco anos a direção notificava o Núcleo Regional de Educação sobre o avanço de algumas rachaduras, mas não foi realizado nenhum tipo de reforma ou reparo. O prédio está interditado.

Com a interdição 1.020 alunos matriculados estão sem aulas. Pais de alunos já estão preocupados com o ano letivo.

"É triste e decepcionante, porque um colégio que sempre foi referência, com uma equipe pedagógica muito trabalhadora, é barrada lá na frente", desabafa Amarildo Alves, pai de um aluno.

Segundo o diretor da escola, uma reforma será feita para que as aulas possam começar o quanto antes.

"Segundo a orientação do núcleo de educação, temos três semanas para a execução da primeira fase dessa obra de reforço da estrutura do prédio. Precisamos de uma garantia do setor de engenharia, da Defesa Civil e do próprio Corpo de Bombeiros que fizeram a vistoria do prédio, para que possamos garantir a integridade física das pessoas que vão circular pelo prédio", detalhou o diretor Luciano Pereira dos Santos.

O Núcleo Regional de Educação informou que as obras no colégio devem ficar prontas em 15 dias. Os alunos devem ficar sem aula até essa data.

Falta de aula em Londrina

Alunos do colégio estadual Tiago Terra, no Jardim União da Vitória, em Londrina, no norte do Paraná, retornaram às aulas nesta terça-feira (20). Os 600 estudantes foram dispensados das aulas na segunda-feira (19), porque os estudantes não poderiam usar os banheiros.

De acordo com a direção da escola, as obras nos banheiros atrasaram. Entre a tarde e noite de segunda-feira (19), os pedreiros apressaram a realização dos reparos, e foi possível liberar parcialmente os banheiros.“A gente vai fazer a recuperação do conteúdo de ontem apenas, porque não possível ter aula, porque não tinha banheiro. Os vasos foram entregues depois de pegarmos no pé, e hoje estão acabando os banheiros”, diz a diretora do colégio Tiago Terra, Maria Angela Leite.

De acordo com a direção, os reparos na escola vão se estender até abril. Neste período, alunos vão conviver com as obras.

Dentre as reformas em andamento, estão o conserto de calçadas e muros destruídos por temporais de 2017. Também são realizados reparos no piso e cobertura da quadra de esportes.

“O professor vai ter que improvisar no pátio, na sala de aula, porque vai demorar para ficar pronto”, esclarece a diretora.

FONTE: G1 RPC.


0 comentário